Basílica
 Dados Gerais do Carmo
 Basílica Tombada
 Significado Histórico
 Pobre Matriz Rica
 Basílica na História
 Outras Informações
 Livro da Basílica
 Pinturas
 Iconografia
 Órgão Tamburini
 Coral Vozes do Carmo
 Horários de Missas
 Horários de Confissões
Paróquia
 Histórico
 Párocos
 Pastorais
 Atividades
 Calendário Anual
 Horários
 Batizados
 Casamentos
 Escola Paroquial
 Capela N.Sra.Boa Morte
 Templo Votivo
 
N. Sra. do Carmo
 Festa: 16 de Julho
 Devoção e História
 Novena
 Cânticos
 Oração
 Reza do Terço

 

 

 

 

 

 Recomende este site

 

 

 
 

O Papa João Paulo II

e o Escapulário do Carmo

 

 

É com alegria que se nota, entre os católicos, um grande aumento da devoção a Maria, a ponto de importantes órgãos de imprensa noticiarem o fato com destaque. Uma das práticas marianas mais divulgadas é a do uso do escapulário do Carmo, também conhecido mais correntemente no Brasil como “bentinho”.

 

É freqüente até ver jovens usando o escapulário ao pescoço. Todos têm uma vaga noção de que Maria protege, de forma especial, aqueles que o portam. Mas conhecerão, também, o profundo e belo significado do escapulário do Carmo?

Numa carta aos Superiores da ordem do Carmo, S.S. João Paulo II, que também usa o escapulário, explica admiravelmente o simbolismo desta importante devoção mariana, que nossa Campanha também divulga:

 

“No símbolo do Escapulário - afirma João Paulo II - se evidencia uma síntese eficaz de espiritualidade mariana, que aumenta a devoção dos fiéis, tornando-lhes sensível a presença amorosa da Virgem Mãe em suas vidas. O escapulário é, essencialmente, um "hábito".

Quem o recebe fica agregado ou associado, num grau mais ou menos íntimo, à Ordem o Carmo, dedicada ao serviço da Virgem Maria, para o bem de toda a Igreja.

 

Quem veste o Escapulário é, portanto, introduzido na terra do Carmelo, para que "coma de seus frutos e bens" (cf. Jer 2,7), e experimente a presença doce e materna de Maria, no compromisso cotidiano de se revestir interiormente de Jesus Cristo, e de o manifestar vivo, em si próprio, para o bem da Igreja e de toda a humanidade.

 

Duas são, portanto, as verdades evocadas no símbolo do Escapulário: de um lado a proteção contínua da Santíssima Virgem, não só ao longo do caminho da vida, mas também no momento da passagem para a plenitude da glória eterna; de outro lado, consciência de que a devoção a Ela não pode se limitar a orações e obséquios em sua honra em algumas circunstâncias, mas que deve constituir um “hábito”.

 

Isto quer dizer: uma textura permanente da própria conduta cristã, tecida de oração e de vida interior, mediante a prática freqüente aos Sacramentos e o exercício concreto das obras de misericórdia espirituais e corporais.

 

Deste modo, o Escapulário se converte em símbolo de “aliança” e de comunhão recíproca entre Maria e os fiéis: de fato, traduz de modo concreto a entrega que Jesus, do alto da cruz, fez a João, e nele a todos nós, de sua Mãe; e a entrega do apóstolo predileto e de nós a Ela, constituída como Mãe espiritual.

 

“Também eu levo sobre meu coração, há tanto tempo, o Escapulário do Carmo. Pelo amor que tenho à celestial Mãe, cuja proteção experimento continuamente, auguro que este ano mariano ajude a todos os religiosos e religiosas do Carmelo, e a todos os piedosos fiéis que a veneram filialmente, para crescer no seu amor e irradiar no mundo a presença desta Mulher do silêncio e da oração, invocada como Mãe da misericórdia, Mãe da esperança e  Mãe da graça.”

 

 

 

Carta do Papa João Paulo II Sobre o Escapulário

 

Ninguém desconhece o grande amor de João Paulo II para com Nossa Senhora. No caso de Nossa Senhora do Carmo, como já havia feito anteriormente, ele reafirmava que, desde a infância, usava o escapulário. Essa confissão, esse testemunho de um Papa, nos faz perceber como este “Sacramental”, este sinal visível de amor a Maria, é muito estimado pela Igreja e pode ser um meio de forte evangelização. Não podemos deixar de lado os sinais exteriores, pois fazem parte do patrimônio de nossa fé.

 

A carta do Papa é riquíssima e vale a pena lê-la, atento aos seguintes pontos:

 

            1) não faz nenhuma referência ao privilégio sabatino;

            2) apresenta o escapulário como patrimônio de toda a Igreja;

            3) sinal de amor a Maria;

            4) chamados a viver suas virtudes;

            5) duas vertentes de espiritualidade;

            6) o Papa mesmo o usava.

 

 

 

750 anos do Santo Escapulário

 

Carta: Aos Reverendíssimos Padres: Joseph Chalmers (Prior Geral da Ordem dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo - O. Carm.) e Camilo Maccise (Prepósito-Geral da Ordem dos Irmãos Descalços da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo  (O.C.D.).

 

O providencial evento da graça, que foi para a Igreja o ano Jubilar, a induz a olhar com fé e esperança o caminho apenas iniciado do novo milênio. “Nosso caminhar, no principio deste novo século – escrevi na carta apostólica Novo Millennio ineunte – deve fazer-se mais rápido... Acompanha-nos neste caminho a   Santíssima Virgem, à qual... confiei o terceiro milênio” (n.58).

 

Com profundo gozo soube portanto que a Ordem do Carmo, em seus dois ramos, antiga e reformada, quer expressar seu próprio amor filial para com sua Patrona, dedicando o ano de 2001 a Ela, invocada como Flor do Carmelo, Mãe e Guia no caminho da santidade. A este respeito, não posso deixar de sublinhar uma feliz coincidência: a celebração deste Ano Mariano para todo o Carmelo acontece, segundo nos transmite uma venerável tradição da mesma Ordem, no 750º aniversário da entrega do Escapulário.

 

É conseqüentemente uma celebração que constitui para toda a Família Carmelitana uma maravilhosa ocasião para aprofundar-se não só em sua espiritualidade mariana, mas para vivê-la cada vez mais, à luz do posto que a Virgem Mãe de Deus e dos homens ocupa no mistério de Cristo e da Igreja e, portanto, para seguir a Ela que é a “Estrela da evangelização” cf. Novo Millennio ineunte, n.58).

 

As distintas  gerações do Carmelo, desde as origens até hoje, em seu itinerário até a “santa montanha, Jesus Cristo Nosso Senhor” (Missal Romano, coleta da Missa em honra da B.A.V. Maria do Monte Carmelo, 16 de julho), trataram de plasmar a própria vida sobre o exemplo de Maria.

 

Por isso no Carmelo, e em toda alma movida por um terno afeto até a Virgem e Mãe Santíssima, floresce a contemplação da que, desde o princípio, soube estar aberta à escuta da Palavra de Deus, e obediente à sua vontade (Lc 2,19.51). Maria, de fato, educada e plasmada pelo Espírito (cf. Lc 2,44-50), foi capaz de ler na fé sua própria história (cf. Lc 1,46-55) e, dócil à inspiração divina, “avançou na peregrinação da fé e manteve fielmente sua união com o Filho até a cruz, junto à qual, não sem um desígnio divino, se manteve erguida (cf. Jo 19,25), sofrendo profundamente com seu Unigênito e associando-se com entranhas de mãe a seu sacrifício” (Lúmen gentium, 58).

 

 A contemplação da Virgem é apresentada enquanto, como Mãe primorosa, vê crescer seu Filho em Nazaré (cf. Lc 2,40-52), segue-lhe pelos caminhos da Palestina, assiste-o nas bodas de Caná (cf. Jo 2,5) e, aos pés da Cruz, se converte na Mãe associada a seu oferecimento, doando-se a todos os homens na entrega que o mesmo Jesus faz dela a seu discípulo predileto (cf. Jo 19,26). Como Mãe da Igreja, a Virgem Santa está unida aos discípulos “em contínua oração” (At 1,14) e, como Mulher nova, antecipa em si o que realizará um dia em todos nós, com a plena fruição da vida trinitária é elevada ao Céu, de onde  estende o manto de proteção de sua misericórdia  sobre os filhos que peregrinam até o monte santo da glória. Tal atitude contemplativa da mente e do coração leva a admirar a experiência de fé e de amor da Virgem, que já vive em si  o que todo fiel deseja e espera realizar no mistério de Cristão e da Igreja (cf. Sacrosanctum Concilium, 103; Lumen gentium, 53). Justamente por isto, os carmelitas e as carmelitas elegeram Maria como sua Patrona e Mãe espiritual e a têm sempre ante os olhos do coração, a Virgem Puríssima que guia todos ao perfeito conhecimento e imitação de Cristo.

 

Floresce assim uma intimidade de relações espirituais que incrementam cada vez mais a comunhão com Cristo e com Maria. Para os membros da Família Carmelitana, Maria, a Virgem Mãe de Deus e dos homens, não é somente um modelo para imitar, mas também uma doce presença de Mãe e Irmã na qual confiar. Com acerto, santa Teresa de Jesus exortava: “Imitai a Maria e considerai que tal deve ser a grandeza desta Senhora e o bem de tê-la por Patrona” (Castelo interior,III,I,3).

 

Esta intensiva vida Mariana, que se expressa em oração confiada, em entusiasmado elogio e diligente imitação, conduz a compreender como a forma mais genuína da devoção à Virgem Santíssima, expressa pelo humilde sinal do Escapulário, é a consagração ao seu Coração Imaculado (cf. Pio XII, Carta Neminem profecto latet [11 de fevereiro de 1950: AAS 42, 1950, pp. 390-391]; Const.Dogm. Sobre a Igreja Lúmen Gentium, 67). Desse modo, no coração se realiza uma crescente comunhão e familiaridade com a Virgem Santa, “como nova maneira de viver para Deus e de continuar aqui na terra o amor do Filho Jesus à sua mãe Maria” (cf. Discurso do Ângelus, em Insegnamenti XI/3, 1988, p. 173). Se nos põe assim, segundo a expressão do Beato mártir carmelita Tito Brandsma, em profunda sintonia com Maria, a Theotokos, convertendo-nos como Ela em transmissores da vida divina: “Também a nós nos manda o Senhor seu anjo... também nós devemos receber a Deus em nossos corações, levá-lo crescer em nós de modo tal que ele nasça de nós e viva conosco como o Deus-conosco, o Emanuel” (Da relação do B. Tito Brandsma ao Congresso Mariológico de Tongerloo, agosto, 1936).

 

No sinal do Escapulário se evidencia uma síntese eficaz de espiritualidade mariana que alimenta a devoção dos crentes, fazendo-lhes sensíveis à presença amorosa da Virgem Maria em suas vidas. O Escapulário é essencialmente um “hábito”. Quem o recebe é agregado ou associado em um grau mais ou menos íntimo à Ordem do Carmelo, dedicada ao serviço da Virgem para o bem de toda a Igreja (cf. Fórmula da imposição do Escapulário, no “Rito da Bênção e imposição do Escapulário”, aprovado pela Congregação para o Culto divino e a disciplina dos Sacramentos, 5/1/1996).

 

Quem veste o Escapulário é, portanto, introduzido na terra do Carmelo, para que “coma de seus frutos e bens” (cf.Jr 2,7), e experimenta a presença doce e materna de Maria, no compromisso cotidiano de revestir-se interiormente de Jesus Cristo e de manifestá-lo vivo em si para o bem da Igreja e de toda a humanidade (cf. Fórmula da imposição do Escapulário, cit.).

 

Duas, portanto, são as verdades evocadas no sinal do Escapulário: por uma parte, a proteção contínua da Virgem Santíssima, não só ao longo do caminho da vida, mas também no momento da transição até a plenitude da glória eterna; por outra, a consciência de que a devoção a ela não pode limitar-se a orações e obséquios em sua honra em algumas circunstâncias, mas deve constituir um “hábito”, como  que um tecer permanente da própria conduta cristã, entrelaçada de oração e de vida interior, mediante a freqüente prática dos Sacramentos e o concreto exercício das obras de misericórdia espiritual e corporal.

 

Deste modo o Escapulário se converte em sinal de “aliança” e de comunhão recíproca entre Maria e os fiéis: de fato, traduz de maneira concreta a entrega que Jesus, desde a cruz, fez a João, e nele a todos nós, de sua mãe, e a entrega do apóstolo predileto e de nós a Ela, constituída como nossa Mãe espiritual.

 

Desta espiritualidade mariana, que plasma interiormente as pessoas e lhes configura a Cristo, primogênito entre muitos irmãos, são um esplêndido exemplo os testemunhos de santidade e de  sabedoria de tantos Santos e Santas do Carmelo, todos eles crescidos à sombra e sob a tutela da Mãe.

 

Também eu levo sobre meu coração, desde há  tanto tempo, o Escapulário do Carmo! Pelo amor que nutro para com a celeste Mãe comum, cuja proteção experimento continuamente, auguro que este ano mariano ajude a todos os religiosos e religiosas do Carmelo, e aos piedosos fiéis que a veneram fielmente, a crescer em seu amor e irradiar no mundo a presença desta Mulher do silêncio e da oração, invocada como Mãe da misericórdia, Mãe da esperança e da graça.

 

Com estes augúrios, distribuo com gosto a Benção Apostólica a todos os frades, monjas, irmãos leigos e leigas da Família Carmelitana, que tanto se esforçam por difundir entre o povo de Deus a verdadeira devoção a Maria, Estrela do Mar e Flor do Carmelo!

 

Vaticano, 25 de março de 2001.

 

João Paulo II

 

 

 

Todo de Maria

 

Pergunta: Numa perspectiva cristã, falar de maternidade leva espontaneamente a falar da Mãe por excelência, a de Jesus. Totus Tuus, Todo de Maria, é o lema escolhido pelo seu Pontificado. O relançamento da teologia e da devoção marianas – de resto, em fiel continuidade com a ininterrupta tradição católica – é um outro caráter distintivo do ensinamento e da ação de João Paulo II. Por outro lado, hoje se multiplicam vozes e notícias de aparições misteriosas e mensagens da Virgem; multidões de peregrinos põem-se de novo a caminho, como em outros séculos. Santidade, o que pode dizer-nos a respeito?

 

Resposta: Totus Tuus. Esta fórmula não tem apenas um caráter pietista, não é uma simples expressão de devoção: é algo mais. A orientação para semelhante devoção se afirmou em mim no período em que, durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhava como operário numa fábrica. Num primeiro momento, achei que devia afastar-me da devoção Mariana da infância, em favor do cristocentrismo. Graças a São Luiz Grignon de Montfort, compreendi que a verdadeira devoção à Mãe de Deus é, ao contrário, cristocêntrica; aliás, é radicada muito profundamente no Mistério trinitário de Deus, e nos referentes  à Encarnação e à Redenção.

 

Desse modo, portanto, redescobri com consciência a nova piedade Mariana, e esta forma madura de devoção à Mãe de Deus me acompanhou ao longo dos anos: seus frutos são a Redemptoris Mater e a Mulieris dignitatem.

 

No que diz respeito à devoção Mariana, cada um de nós deve ter claro que não se trata só de uma necessidade do coração, de uma inclinação sentimental, mas que corresponde também à verdade objetiva sobre a Mãe de Deus. Maria é a nova Eva, que Deus põe diante do novo Adão-Cristo, a começar pela Anunciação, através da noite do nascimento em Belém, o convite nupcial em Caná da Galiléia, a cruz sobre o Gólgota, até o cenáculo do Pentecostes, a Mãe de Cristo Redentor é a Mãe da Igreja.

 

O Concílio Vaticano II dá um passo de gigante tanto na doutrina quanto na devoção marianas. Não é possível agora reproduzir todo o maravilhoso capítulo VII da Lumen gentium, mas precisaria fazê-lo.  Quando participei do Concílio, reconheci-me totalmente neste capítulo, onde encontrei todas as minhas experiências anteriores, desde os anos da adolescência, bem como aquela peculiar ligação que me une à Mãe de Deus em formas sempre novas.

 

A primeira forma, a mais antiga, relaciona-se com os momentos de pausa, na infância, diante da imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na igreja paroquial de Wadowice, e está ligada à tradição do escapulário carmelita, particularmente eloqüente e rica de simbolismo, que conheci desde a juventude, através do convento dos carmelitas  “sobre a colina”, em minha cidade natal. Está ligada, além disso, à tradição dos peregrinos ao  santuário de Kalwaria Zebrzydowska, um daqueles lugares que atraem multidões de peregrinos, de modo especial do Sul da Polônia e de além dos Cárpatos. Este santuário regional tem uma peculiaridade de ser não só mariano, mas também profundamente cristocêntrico. E os romeiros que lá chegam, durante sua estada junto ao santuário de Kalwaria, percorrem antes de tudo as “veredas”, que são uma Via crucis, em que o ser humano encontra o próprio lugar  perto de Cristo através de Maria. A Crucificação é também o ponto topograficamente mais alto, que domina todos os arredores do santuário. A solene procissão mariana que lá se realiza antes da festa da Assunção, nada mais é do que a expressão da fé do povo cristão na participação particular da Mãe de Deus na ressurreição e na glória do próprio Filho.

 

Desde os primeiríssimos anos, minha devoção Mariana relacionava-se estreitamente à dimensão cristológica. O que me conduzia nesta direção era precisamente o santuário de Kalwaria.

 

Um capítulo à parte é Jasna Góra, com seu ícone de Nossa Senhora Preta. A Virgem de Jasna Góra há séculos é venerada como Rainha da Polônia. Este é o santuário de toda a nação. Junto de sua Senhora  e Rainha, a nação polonesa durante séculos procurou, e continua procurando, sustentação e força para o renascimento espiritual. Jasna Gora é o lugar de uma particular evangelização. Os grandes eventos da vida da Polônia são sempre de algum modo ligados a este lugar: tanto a história antiga da minha nação, quanto a contemporânea, encontram o ponto de sua mais intensa concentração exatamente lá, na colina de Jasna Gora.   

 

Tudo o que disse, acredito que explique suficientemente a devoção Mariana do Papa atual e, sobretudo, sua atitude de total entrega a Maria, aquele Totus Tuus.

 

No que se refere, pois, àquelas “aparições”, àquelas “mensagens” a que aludi,  proponho-me a dizer alguma coisa mais adiante nesta nossa conversação.

 

Texto extraído do livro "Cruzando o Limiar da Esperança".

Por sua Santidade João Paulo II

 

 

 

 

 

 

Início

 

Saiba mais

Pároco Atual  

Liturgia Dominical  

  Liturgia Diária  

Horários da Basílica  

Carmelitas em Campinas  

Imagens e Idolatria  

Links  
  AVISOS  
Escapulário

Origem  

Espiritualidade

 

 

 

 

 

 

Google

 

 

 

 

 

 

 

 
© desde 25/12/2006 - Basílica Nossa Senhora do Carmo - Campinas - SP - Brasil